Rosemary Arruda

Tão profundo quanto meu próprio eu!

Textos

Lá vamos nós!
Uau! Chegou o grande dia
Bicicleta! Lá vamos nós
Nós nada, eu que vou
Vou direto para o barranco, ou direto para a rua
Ou direto para o chão, reclama a bicicleta
Que mania de dizer que vamos nós
Olha só o estado das minhas rodas
Todas sujas de lama, riscadas e não acredito
Esse menino conseguiu furar minhas solas dos pneus
Mas olha só as pernas dele
Tao brancas que parecem taquaras
Se bem que tem uns arranhões
E esse cheiro de suor agora
Sei que vai me abandonar
Não moleque insensível
Tá chovendo e tá frio
Vou enferrujar
- Para com isso seu reclamão...
- Estou te deixando limpinho
- E um pouquinho de frio não faz mal pra ninguém,
Diz a chuva caindo bem fininha e fria
A lua só na espreita toda brilhosa de tanto rir
Ah que calor gostoso diz a bicicleta se espreguiçando
- Sou eu que estou aqui desde cedo e você dorminhoca não acorda nem para se aquecer
Era o senhor Sol dando uma dura na bicicleta
Ah estou limpinho, sem lama, cheiroso e aquecido
Cadê aquele moleque insensível que me abandonou?
Hum que cheiro bom!
É Mariana chegando
- Puxa, meu amigão! Por que está todo largado?
- Vou dar um jeito em você
Hum gosto de meninas, cheiram flores
Nãooooo....
Estou todo rosa e cheio de fitas nos guidões
Tô toda brilhosa
Virei purpurina
Não Mary, para Mary não sei voar
Não sei empinar
De novo nãaaoooo
Lá se foram os meus freios
Ôpa, e lá vêm os dois atrás de mim
O insensível e Mariana
Aha! Agora sim!
Exclama a bicicleta dando um olé nos garotos
E lá vêm eles
E lá vou eu
E lá vamos nós!!!!
Rosemary Arruda
Enviado por Rosemary Arruda em 14/09/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras