Rosemary Arruda

Tão profundo quanto meu próprio eu!

Textos

OLHOS QUE ME FITAM
DOIS OLHOS ME FITAM
DIANTE DO ESPELHO
DESCOBREM-ME, RASGAM-ME
ENVERGONHO-ME, ESCONDO-ME
NUM ÚNICO INSTANTE
ELES ME DETONAM
SABEM TUDO DE MIM
ESTÃO FIXOS, ESTAGNADOS
MEU SEMBLANTE SE TRANSFORMA
ACUSAM-ME, CRITICAM-ME
GUARDAM OS MEUS ERROS E ACERTOS
ESTOU DESCOBERTA E NUA
NÃO CONSIGO FUGIR
DAQUELE OLHAR A ME FITAR
A MÁSCARA NÃO PODE CAIR
É UMA IMAGEM DE FUGA
MOLDADA POR MIM
GUARDADA NUM ESCONDERIJO
DE INFINITA SOLIDÃO
IMPENETRÁVEL E TRANSPARENTE
O QUE FAZER?
DESVIAR O OLHAR?
OU ASSUMIR OS MEUS FRACASSOS
E NUM ÚNICO INSTANTE MUDAR
TRANSFORMAR-ME, GRITAR
É IMPOSSÍVEL ACEITAR
ANTES PREFIRO LUTAR
A ENFRENTAR AQUELE OLHAR!
Rosemary Arruda
Enviado por Rosemary Arruda em 23/07/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras